Brasil, 24 de abril de 2014.
Ir para a página inicial Agrolinks Comunidade Ciência & Tecnologia Informação Negócios Publicidade
   
 
 Artigos
 Eventos
 Notícias
 Cadastre-se
 Agrociência
 Software
 Categorias
 Mais visitados
 Classificados





Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Vendendo para o Agronegócio

31-03-2006

:. Do mesmo autor
Comportamento Organizacional - Desafios da Gerência do Agronegócio.

Conduta Rural em Destaque

Mudando a Conduta Rural

Conduta Rural Motivada

O Triângulo do Atendimento Rural

A gestão de pessoas no agronegócio

Arrumação e venda de produtos da agricultura familiar

Qualidade de Vida Rural

Gestão Comercial do Agronegócio – Novos Paradigmas

Modelo Técnico – Caminho do Agonegócio

Serviço Rural – Um Diferencial Competitivo

Comunicação informal no campo

Comportamento Organizacional - Craitividade Perdida

Comportamento Organizacional - Ousadia e Criatividade na Gestão de Pessas do Agronegócio

Comportamento organizacional – Cooperação Rural

Comportamento Organizacional - Educando a Organização Rural

Competência - caminho do sucesso

Conduta Empreendedora e Comunicação

Capital intelectual – instrumento de estímulo à renovação e ao desenvolvimento

Quem são nossos clientes rurais? Como agem? Que querem de nós vendedores rurais? Nossos clientes são seres humanos buscando aceitação (reforço positivo) e evitando castigo (reforço negativo) para suas realizações sociais. Baseado nisso, nós homens de negócios precisamos fazer com que nossos produtos/serviços se transformem em fontes de benefícios rurais. O que o cliente rural quer saber é o que ele leva de vantagem ao adquirir nosso produto/serviço rural. Sabemos que o cliente rural evitará de todas as maneiras comprar algo que venha a arrepender-se mais tarde.

Como agem nossos clientes rurais? Esta questão merece um estudo mais aprofundado. Analisemos o processo de compra, ou seja, o que se passa na cabeça do nosso cliente do agronegócio ao comprar.

Quando alguém compra um produto/serviço, a primeira coisa que vem a sua mente é uma forte necessidade de adquirir algo que possa satisfazer um determinado desejo ou expectativa.

Como todo ser humano, o homem do campo é um ser dotado de um conjunto de necessidades que, a não ser por pequenos períodos de tempo, raramente consegue um estado de completa satisfação. Ao satisfazer uma necessidade logo surge outra, depois outra e assim sucessivamente.

Descobrir que necessidades, em determinado momento são mais importantes para o cliente rural, representa um desafio para quem quer e precisa vender produtos voltados à realidade campesina. Ao isolar o desejo dominante do cliente rural, o vendedor rural deverá encontrar um produto ou serviço que possa estar diretamente vinculado às suas reais necessidades.

Quando o cliente rural está motivado (predisposto) a adquirir um determinado produto ou serviço rural com vistas à satisfação de uma determinada necessidade, ele sai à cata de informações que possam ajudá-lo no processo de identificação do que será preciso comprar. Daí a necessidade do vendedor estar sempre de posse de informações corretas e atualizadas. Geralmente os clientes rurais procuram obter informações de mais de uma fonte, para que possam avaliar o grau de consistência das mesmas. Portanto, o uso de mentira, em qualquer processo de vendas, significa meio caminho andado no sentido da perda da venda e, fatalmente, do cliente rural. De posse de todas as informações colhidas, o cliente rural faz a sua escolha.

O processo decisório gera no cliente rural uma série de dúvidas e inseguranças. Todos nós, diante de uma situação em que tenhamos que tomar uma decisão, ficamos inseguros e a tendência natural é adiarmos, por quanto pudermos, a nossa decisão. Pelo exposto podemos concluir que é nesse momento que o cliente rural mais precisa de nossa ajuda. Uma vez que o processo decisório é compartilhado com outras pessoas, geralmente o indivíduo ao decidir precisa submeter sua provável decisão àqueles que dividem com ele – dentro do processo decisório – o poder de decidir.

Muitos profissionais da área (vendas/negociação) acreditam que o processo chega ao fim assim que o cliente rural decide pela compra de nossos produto/serviços. Isso representa um erro primário, uma vez que o importante não é vender nosso produto ou serviço apenas uma vez para o cliente rural – o primordial é mantê-lo como nosso cliente fiel.

Páginas: anterior 1 2 próxima Topo da página


José Carlos CairesEnvie um email!
Técncio de Nível Superior II - EMBRAPA/CPATC

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

:. ARTIGOS RELACIONADOS
Mais adubo para o agronegócio
Brasil que tem dado certo
A importância do capital de giro no agronegócio
Perspectivas para a cultura do Amendoim
Mandioca: a raiz do Brasil

Copyright © 2000 - 2014 Agronline.com.br