Brasil, 16 de abril de 2014.
Ir para a página inicial Agrolinks Comunidade Ciência & Tecnologia Informação Negócios Publicidade
   
 
 Artigos
 Eventos
 Notícias
 Cadastre-se
 Agrociência
 Software
 Categorias
 Mais visitados
 Classificados





Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Os efeitos do aquecimento global na atividade agropecuária

04-06-2007

:. Do mesmo autor
Gestão no setor agrícola - Período difícil exige aperfeiçoamento e mudanças

As primeiras discussões internacionais sobre o aquecimento global foram em 1988, quando foi realizada em Toronto, Canadá, a primeira reunião entre cientistas e governantes dos mais diversos países sobre um assunto que é de grande importância para todos: as mudanças climáticas. Lá foi apresentado como um impacto potencial inferior somente ao de uma guerra nuclear. Daí por diante uma sucessão de mudanças no clima com indicações de altas temperaturas vem crescendo ano a ano.

Isso, graças a concentração de CO2 na atmosfera que vem crescendo gradativamente, como resultado direto das atividades humanas, a uma taxa de 0,4–0,5% por ano ou 1–1,8 µmol CO2 mol-1 por ano de acordo com o estudo do Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) em 1995. Como resultado desse fato, a temperatura média do ar no planeta poderá, também, aumentar neste período, causado pelo efeito estufa do CO2 atmosférico. O balanço realizado em fevereiro de 2001 do IPCC, divulgado pela OMM/WMO-Pnue/Unep adverte sobre uma conjuntura preocupante quanto ao aumento da temperatura no planeta. A estimativa é que nos próximos 100 anos a temperatura possa aumentar entre 1,4ºC e 5,8ºC e que possa ainda haver um incremento de 15% na precipitação pluviométrica do planeta.

Não há estudos preliminares sobre adaptações das plantas a essas altas temperaturas, entretanto, estima-se uma grande queda na produtividade da área agropecuária. De acordo com o estudo, no atual estágio do aquecimento global danos já são inevitáveis, resta somente cuidar para que esses agravantes sejam em menores proporções.

Em estudo realizado pela Universidade de Campinas (Unicamp) revela que o aquecimento global poderá provocar uma queda na produção de grãos de até 43% nas próximas décadas, representando um prejuízo de até 11% no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

A cultura mais afetada será a do café, pois se adapta muito mal ao calor intenso, isso é preocupante ao país, que é campeão mundial de produção e exportação. Nas estimativas do Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura (Cepagri) da Unicamp, a produção nacional deve cair entre 23% a 92%, dependendo do nível do aquecimento.

A soja é a segunda cultura mais afetada no Brasil, com redução na produção variando de 10% a 64%, afetando diretamente a economia nacional, pois o país é o maior exportador e segundo maior produtor mundial.

Prejudica também o campo da pecuária. Assim como as altas temperaturas afetam as plantas, temperaturas acima de 34º afetam também a produção de leite e carnes. Além de aumentar o índice de aborto de criações como suínos e aves.

Por outro lado, outras culturas mais resistentes a altas temperaturas, provavelmente, serão beneficiadas até o seu limite próprio de tolerância ao estresse térmico. No caso de baixas temperaturas, regiões que atualmente sejam limitantes ao desenvolvimento de culturas susceptíveis a geadas passarão a exibir condições favoráveis ao desenvolvimento de plantas.

Páginas: anterior 1 2 próxima Topo da página


Ricardo PolatoEnvie um email!
Acadêmico - CESUR

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

  • Agronegócio
    Ler o texto sobre o aquecimento global na atividade agropecuária, de Ricardo Polato, foi como liberar um grito preso para todos envolvidos, direto e indiretamente, no agronegócio a contribuí de forma sólida com a construção de uma sonhada "quebra" de tantas demagogias produzidas por uma parte da sociedade capitalista,egoísta e inculta.
    GIVALDO JOSE DE AMORIM - 07-11-2010 11:35h

  • :. ARTIGOS RELACIONADOS
    Jacarés: criação ou manejo?
    Uma análise da presença do bioma caatinga na cultura popular nordestina.
    PELD - Programa Ecológico de Longa Duração dos Recursos Hídricos do Pantanal
    Mexilhão Dourado No Pantanal – Um problema ambiental e econômico
    Utilização da Queima Controlada em Caronal
    Movimento dos Jacarés no pantanal
    Ecologia e Comportamento das Capivaras no Pantanal
    Coleção de Referência da Herpeto e Mastofauna do Pantanal.
    A influência do ciclo de cheias e secas na sustentação da cadeia alimentar do rio Paraguai, Pantanal - MS.
    Os Jacarés Movem em Grupos?
    Importância dos estudos Reprodutivos na conservação dos Jacarés Brasileiros
    Uso de Helicóptero nos Estudos de Reprodução do Jacaré-do-Papo Amarelo.
    Os Controles Geológicos e os Pulsos de Inundação no Pantanal
    Estratégias para definição de Períodos de Defeso no Pantanal
    o Jacaré da Serra do Amolar, Pantanal.
    Movimentos dos Jacarés em Busca de Alimento.
    Estudo da dispersão e movimento do jacaré-do-pantanal através das ondas do rádio
    A paisagem na visão dos animais
    E o Jacaré do Pantanal pode também se contaminar por Mercúrio?
    O Pantanal e a acontaminação por Mercúrio
    Introdução de espécies - uma das maiores causa de perda de biodiversidade
    Níveis de Mercúrio na Carne de Peixes como Indicadores de Contaminação do Pantanal.
    Conhecimento ecológico tradicional e manejo de pesca

    Copyright © 2000 - 2014 Agronline.com.br