Brasil, 18 de abril de 2014.
Ir para a página inicial Agrolinks Comunidade Ciência & Tecnologia Informação Negócios Publicidade
   
 
 Artigos
 Eventos
 Notícias
 Cadastre-se
 Agrociência
 Software
 Categorias
 Mais visitados
 Classificados





Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Irrigando o feijoeiro

16-11-2005

:. Do mesmo autor
Irrigando a ervilha

A irrigação da cultura do feijoeiro no período seco do Cerrado é uma prática essencial já incluída no sistema produtivo dessa cultura, pois se obtém maiores produções, de melhor qualidade e, conseqüentemente, de preços mais vantajosos, mesmo para exploração familiar. Levando-se em conta que o feijão pode ser cultivado durante todo ano, sendo considerado ainda como cultura de alto valor econômico e social, o produtor dispondo de pequenas ou grandes áreas pode irrigar por aspersão, usando como exemplo os equipamentos convencionais, móveis ou fixos e o pivô central entre outros.

Manejo da irrigação

No manejo da irrigação deve-se evitar o desperdício de água ao longo do ciclo da cultura. Embora existam vários métodos possíveis de serem usados para o manejo, o método baseado no monitoramento da tensão de água no solo, a partir de tensiômetros, pode ser indicado, uma vez que os parâmetros medidos indicam indiretamente a quantidade de água disponível para as plantas na camada do solo onde se encontra o sistema radicular. Sabendo o momento em que a irrigação deve ser iniciada o produtor poderá economizar energia, água e utilizar melhor seu equipamento e acima de tudo, aumentar a produtividade de sua lavoura.

Como fazer

Antes de tudo é necessário que o equipamento de irrigação seja bem dimensionado e esteja bem calibrado. Recomenda-se instalar, sempre na parcela onde se inicia a irrigação, três baterias de tensiômetros nas profundidades de 10; 20 e 30 cm no interior da fileira de planta, na zona de maior concentração de raízes. Quando as leituras registradas a 10 cm de profundidades atingirem em torno de 40 kPa é necessário que se faça à reposição de água, elevando a camada de solo de 0-35 cm à capacidade de campo.

Procedimentos da irrigação para germinação

Logo após o plantio deve-se aplicar quatro lâminas de 15 mm de água, aproximadamente, com intervalo de 2 dias, para preencher o reservatório do solo, garantir uma boa germinação e o estabelecimento da cultura. Neste período deve-se fazer a instalação correta dos tensiômetros na lavoura procurando assegurar um bom contato do solo com a cápsula porosa. Após estes procedimentos o momento de fazer a irrigação será definido com base na média de leituras dos tensiômetros instalados a 10 cm de profundidade (40 kPa), enquanto que a quantidade de água a ser aplicada deverá ser calculada usando as informações de tensão das três profundidades e as respectivas curvas de retenção de água.

Período crítico e suspensão da irrigação

O período crítico com relação à água ocorre na fase de reprodução entre 35 e 60 dias após o plantio, fase também de maior consumo de água. Caso haja falta de água nesse período, a lavoura poderá ter uma acentuada redução na produtividade. A suspensão da irrigação poderá ocorrer, aproximadamente, aos 75-80 dias após o plantio, ou seja, quando for observado a maturação fisiológica dos grãos. A colheita geralmente ocorre aos 90 dias do ciclo da cultura, a depender da variedade..

Sebastião Francisco FigueredoEnvie um email!
Pesquisador - EMBRAPA/CPAC
Juscelino Antônio de AzevedoEnvie um email!
Pesquisador - EMBRAPA/CPAC

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

:. ARTIGOS RELACIONADOS
Os solos e o meio ambiente
Poluição por pesticidas no Pantanal
Mudança climática deixa o mundo em perigo
Agricultura itinerante na amazônia
Processo de arenização no sudoeste do Rio Grande do Sul
A utopia do repovoamento
Agricultura irrigada X Saúde ambiental: existe um conflito?
Pantanal: Um bioma ameaçado
Queimada controlada no Pantanal
Corredores Ecológicos e Ecoturismo no Pantanal
Pantanal registra o mais longo e intenso ciclo de cheia
Os caminhos da convivência com a seca
Pesquisa, meio ambiente e produção no pantanal
Levantamento aéreo como ferramenta para conservação da biodiversidade no pantanal
Por uma ética climática
Caatinga: patrimônio brasileiro ameaçado
A importância dos estudos limnológicos: 16 anos no pantanal
Ocorrência do fenômeno natural “dequada” no pantanal.
Efeito Estufa X Agricultura
A Problemática Socioeconômica e Ambiental da Bacia do Rio Taquari e Perspectivas
Os Pulsos de Inundação e o Rio Taquari
O Mexilhão Dourado causará danos ecológicos na Bacia do Miranda
Pantanal: Risco de Contaminação por Biocidas
Cercas Ecológicas
Desempenho Ambiental e Sustentabilidade
Qualidade Ambiental e Ecoeficiência: nova postura
Sistema de Gestão e Proteção Ambiental
Balneabilidade e Riscos à Saúde Humana e Ambiental
Água: Esgotabilidade, Responsabilidade e Sustentabilidade
Resíduos: “É Preciso Inverter a Pirâmede – Reduzir a Geração”!
A soja e o Protocolo de Quioto
Arquitetura, agricultura e floresta sustentável – encontrando uma nova abordagem dos cenários rurais
Sistemas agroflorestais e a conservação do solo
Desmatamento em Roraima: interpretando dados oficiais
Do monocultivo ao uso de sistemas agroflorestais
Penas de aves como indicadores de mercúrio no pantanal
Índice de qualidade de bacia – nova proposta para gestão da bacia do rio Miranda
Os habitats do jacaré-paguá no entorno do Pantanal
Programa de gestão ambiental da Embrapa Pantanal
Determinação de impactos e conservação dos recursos hídricos na bacia do alto Paraguai
Cumbaru no pantanal
Coleção Guias de Convivência Gente e Onças
Código Florestal Brasileiro: área de preservação permanente e reserva legal

Copyright © 2000 - 2014 Agronline.com.br