Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Reflexões sobre a pesca esportiva no pantanal sul: Crise e perspctivas

Página 2/4

:. Do mesmo autor
O monitoramento da pesca no pantanal do Mato Grosso do Sul

Banco de sêmen congelados de peixes do pantanal

Considerações sobre o manejo da pesca no estado de MT

Pesca profissional: desafios e oportunidades

Conhecimento ecológico tradicional e manejo de pesca

Uma nova visão do manejo pesqueiro

Aspectos ecológicos e culturais da pescaria de anzol

Alternativas para o turismo

Para reverter essa crise do setor turístico pesqueiro pode-se lançar mão de duas opções, não excludentes: investir na recuperação dos clientes tradicionais do setor e desenvolver novos produtos turísticos destinados a outra clientela.

A recente decisão do Conpesca/MS de manter a cota de captura dos pescadores esportivos em 10 quilos mais um exemplar a partir de 2003, iguala a norma estadual à federal (Portaria do IBAMA nº 30 de 23/05/2003) e poderá reduzir a evasão dos pescadores esportivos interessados nessa cota.

Por outro lado, pescadores assim orientados, não são os principais clientes do setor, como se verificou em um estudo sobre as motivações que levam os pescadores esportivos ao Pantanal Sul, realizado na Embrapa Pantanal em 1994. Surpreendentemente, verificou-se que os aspectos diretos da pesca, tais como capturar muitos peixes, peixes grandes ou uma variedade de espécies, foram as razões mais importantes para apenas 1/3 dos pescadores, ao passo que 2/3 citaram razões associadas com o turismo ao ar livre, de natureza mais geral. Observou-se que mais da metade dos pescadores indicou que sua principal razão para visitar o Pantanal foi a qualidade do ambiente natural e que 7% citaram como sua motivação principal a possibilidade de ver e observar a vida silvestre.

O estudo revelou, ainda, que os pescadores esportivos que estão motivados a visitar o Pantanal principalmente para observar a vida selvagem e desfrutar da região enquanto um ambiente natural singular, gastam significativamente mais dinheiro em sua viagem, do que aqueles pescadores esportivos que estão motivados sobretudo pelo sucesso potencial de suas pescarias ou para descanso.

Em função desses resultados, considerou-se que, se a motivação principal dos pescadores esportivos não é a captura de peixes, mas antes a contemplação do ambiente, então o principal objetivo do manejo pesqueiro não deve ser, necessariamente, produzir mais peixes para a pesca esportiva. A administração da pesca deve se integrar à administração pública e à iniciativa privada, a fim de oferecer os serviços e as experiências que os visitantes estão interessados em comprar, o que deve aumentar o número destes e a disposição de cada um em pagar mais por sua visita. Ao mesmo tempo, esse procedimento deve reduzir a pressão sobre os estoques, deixando mais para os pescadores profissionais e de subsistência.

Nesse sentido, a biodiversidade e o estado de conservação são os fatores que diferenciam a região e constituem o valioso capital biótico do Pantanal. Deter um patrimônio natural tão excepcional como esse representa um prestígio político para os Estados de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, o qual pode ser utilizado como contrapartida para conseguir investimentos públicos ou privados para desenvolver novos campos do turismo, além do turismo de pesca. Entre esses campos, há alternativas que já vêm sendo efetuadas em menor escala como turismo rural, cultural, científico e ecoturismo.

Entretanto, para desenvolver novos produtos turísticos, aprender a atrair e a cativar uma outra clientela será preciso conhecer o perfil e as exigências desse cliente. Para tanto, será necessário a reestruturação das relações de produção do setor por meio do estabelecimento de novas parcerias, adequação da infra-estrutura já existente e capacitação e contratação de pessoal. Além disso, o desenvolvimento sustentável dessas novas atividades requer, não só incentivos, mas um planejamento criterioso considerando, além da capacidade suporte do ambiente, a capacidade social e psicológica das populações locais que vão recepcionar essas atividades.

Páginas: anterior 1 2 3 4 próxima Topo da página


Agostinho Carlos CatellaEnvie um email!
Pesquisador - EMBRAPA/CPAP

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

  • pesca
    Pesco no pantanal todos os anos desde 1989,quando a cota era de 50 kilos mais um exemplar e ai por diante so vem caindo ate os dia de hoje nos 10 kilos.quem e pescador amador sabe que e muito dificil pegar a cota mas para um profissional e muito facil pegar muito peixe com outros artificil.quem esta acabando com o peixe sao os profissionai entre aspas e a grande quantidade de jacares que esta um abisurdo a quantidade aumentou indiscriminadamente se cada jacare come deis porcento de seu peso por dia e emedia cada um pesa em torno de oitenta quilos sao oito quilos diariamente cada um, mais existem milhares deles ja imaginou quantas toneladas eles comen de peixe por dia ?
    Adailton Nucci - 12/03/10 20:49

  • pesca
    a pesca artesanal deveria ser mais respeitada pelos orgao pubrico. e tambem pelos pescadores amador principalmente no rio paraiba do sul
    jorge carvalho cruz - 30/06/08 21:55

  • QUEM ACABA COM O PEIXE
    QUERO DEIXAR REGISTRADO DE QUEM ACABA COM OS PEIXES, NÃO É O PESCADOR AMADOR, ( TURISTA), POIS ESTE SÓ VAI UMA VEZ POR ANO. NA REALIDADE QUEM ACABA É O PESCADOR PROFISSIONAL, E AQUELES QUE ABASTECEM AS REDES HOTELEIRAS. SOBRE ESTES A FISCALIZAÇÃO FECHA OS OLHOS.
    helioh - 21/07/06 16:47

  • cotas
    ja que sa cotas abacharam . porque as pousada ñ ver os seu preço da diaria. obrigado . pode me da a responta
    sergio jipeiro(carioca) - 06/02/06 04:29

  • cota de peixes e preservacao !
    BOA TARDE ! GOSTARIA DE DEIXAR MINHA OPINIAO SOBRE O QUE ACONTECE NO PANTANAL EM RELACAO AO TURISTA PESCADOR E A PRESERVACAO ! EU FUI AO PANTANAL POR TRES ANOS CONSECUTIVOS, E NAO ACHO QUE NÓS TURISTAS É QUE ACABAMOS COM TUDO ! ESTABELECERAM COTAS, EM 2004 POR EXEMPLO, FOI 10 KG E 1 ESPECIE, MAS EU E MEUS COMPANHEIROS AS VEZES PESCAVA A COTA EM DOIS DIAS, DE 5 DE PESCA, MAS MESMO ASSIM, AO INVES DE AVER UM INCENTIVO DOS PILOTEIROS PARA QUE SOLTACEMOS O EXCESSO, CONTINUAVAMOS A EMBARCAR OS PEIXES MESMO QUE SENDO NA MEDIDA, E NO DIA DE IRMOS EMBORA, SO LEVAMOS A COTA. AI EU PERGUNTO! ONDE FICA O EXEDENTE DE TODOS PESCADORES TURISTAS QUE PEGAM ACIMA DA COTA TODAS AS TEMPORADAS ? FICA COM O HOTEL? FICA COM OS PILOTEIROS ? POR ISSO QUE O TURISTA FICA CADA VEZ COM MENOS VONTADE DE IR AO PANTANAL ! PORQUE DA QUI A POUCO, TEMOS QUE COMPRAR O PEIXE QUE NÓS MESMOS PESCAMOS EM NOSSOS MERCADOS AQUI NA CIDADE ! OS ORGAOS COMPETENTES DEVERIAM FISCALIZAR MAIS ESTE OUTRO LADO NEGRO DAS PESCARIAS ! OS PEIXES CHEGAM NA MEDIDA MINIMA E SAO ABATIDOS S/ CONTROLE, ESTÁ CADA VEZ MAIS DIFICIL PESCAR 1 EXEMPLAR ACIMA DA MEDIDA COMO ANTIGAMENTE ! NAO ADIANTA PRESERVAR SÓ OS PEIXES FORA DE MEDIDA, PODEMOS PRESERVAR OS DE MEDIDA TAMBEM PARA QUE CADA VEZ QUE PESQUEMOS NO PANTANAL, POSSAMOS PESCAR TAMBEM, MESMO QUE ESPORTIVAMENTE PEIXES MAIORES ! ESTAMOS TRAZENDO NOSSAS COTAS, MAS MATANDO OUTRAS 1, 2 OU TRES VEZES AS COTAS POR LÁ NAS MAOS DE DONOS DE HOTEIS OU PILOTEIROS !!! ELES NAO ACHAM RUIM DE PEGARMOS MAIS DO QUE AS COTAS !!!! V A M O S V E R I S T O COM MAIS CARINHO ! CADA VEZ QUE DIMINUIR A COTA PARA NÓS PESCADORES, VAI FICAR MAIS PEIXE DE MEDIDA MORTO NOS HOTEIS DO PANTANAL !!!! GOSTARIA DE UM RETORNO SOBRE MEU COMENTARIO !!!
    RICARDO DA COSTA PROENCA - 30/08/05 16:20

  • Comentarios
    Parabens, o artigo apresentado mostra um elevado conhecimento sobre o nosso Pantanal e suas causas. E bom saber que existem brasileiros preocupados com esse fato. Sou aluno de Geografia (licenciatura) da Universidade Federal do RS (Campus Rio Grande - FURG) e desenvolvo o meu projeto de graduação sobre o Pescador Artesanal de Corumba-MS. Obrigado, um Abraco.
    Renato Filgueiras de Moraes filho - 25/03/05 21:00

  • :. ARTIGOS RELACIONADOS

    Artigos por assunto

    Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
    Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br