Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Adequação e manejo das irrigações por aspersão por pivô central no cerrado

02/03/2004

No sistema intensivo de agricultura irrigada da região dos Cerrados, quase sempre o produtor rural não tem “tempo” disponível para revisar seu equipamento de irrigação, mesmo sendo este a chave para o sucesso da sua lavoura. Ao contrário do que acontece com sua caminhonete ou com os veículos de sua família que são levados para a concessionária periodicamente, seu equipamento de irrigação é, muitas vezes, usado por anos, sem que haja revisão da motobomba ou substituição dos reguladores de pressão, os quais, como os amortecedores dos automóveis, têm uma vida útil relativamente reduzida.

Esse comportamento é, sem dúvida, a razão das muitas decepções com a produtividade das lavouras irrigadas, pois uma motobomba funcionando precariamente ou reguladores de pressão danificados são as principais causas da má distribuição de água dos equipamentos. Salienta-se que má distribuição de água determina baixa uniformidade da lavoura, o que é sinônimo de perda de produção e de dinheiro.

Em sistemas pressurizados, a motobomba é uma parte do equipamento que deve ser checada constantemente, pois o desgaste de suas partes internas ou possíveis danos aos rotores causados por pedregulhos, ou mesmo entrada de ar na sucção, ocorrem com freqüência. Por isso, o produtor deve observar a pressão na saída da motobomba com o registro fechado para verificar se está dentro das especificações do projeto. Em seguida, com o registro totalmente aberto e o equipamento funcionando na parte da área com maior aclive, deve verificar a pressão na saída da bomba e no ponto pivô. Se essas pressões coincidirem com aquelas indicadas no projeto, então o sistema deverá funcionar adequadamente. Caso contrário, o produtor deverá buscar assistência técnica de sua confiança para solucionar o problema.

Outra situação comumente encontrada é a falta de pressão no final da linha de distribuição devido ao envelhecimento das paredes internas da tubulação. Isso ocorre porque com a corrosão das paredes internas há um aumento da perda de carga ao longo da linha principal e da linha de distribuição de água do equipamento. Para solucionar esse problema o produtor pode solicitar a assistência técnica capacitada para estudar a possibilidade de aumentar o tamanho dos rotores da motobomba ou para recalcular os bocais de distribuição de água com menor vazão.

Finalmente, o produtor deve entender que os reguladores de pressão são peças com molas internas que se desgastam dentro de um prazo relativamente curto, principalmente quando são aplicados, via água de irrigação, produtos químicos com alto poder corrosivo. Sem aplicação de produtos químicos e com pressão de funcionamento adequada os reguladores de pressão funcionam adequadamente por quatro a cinco anos. Após esse período, o produtor deve substituí-los. Salienta-se que semelhante ao que se faz com amortecedores de automóveis, é recomendável trocar todos os reguladores de pressão de uma vez. A prática de testar cada regulador de pressão para substituir apenas os danificados não é recomendável, pois um regulador que não foi substituído, por estar funcionando adequadamente, poderá deixar de funcionar em curto espaço de tempo devido à sua vida útil já estar ultrapassada.

Atualmente, com a disponibilidade de reguladores de pressão e de bocais de melhor qualidade, é possível distribuir os bocais ao longo da linha, de modo a atingir um coeficiente de uniformidade de distribuição de água de Christiansen superior a 90%. Desse modo, a lâmina bruta de irrigação é atingida com menor acréscimo sobre a lâmina líquida. Observe que os 80% de CUC recomendado nos livros e trabalhos mais antigos representa um acréscimo de 25% sobre a lâmina líquida de irrigação o que não é mais aceitável na agricultura irrigada pois isso implica em maior consumo de água e energia e menor capacidade de irrigação do equipamento. Com CUC igual ou superior a 90% apenas um acréscimo de 10 a 12% é suficiente para que mais de 89% da área irrigada receba uma lâmina de água igual ou superior à lâmina média de irrigação. Isso resulta em lavouras mais uniformes e, conseqüentemente, lavouras com maior potencial de produção.

Páginas: anterior 1 2 próxima Topo da página


Antônio Fernando GuerraEnvie um email!
pesquisador - EMBRAPA/CPAC

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

:. ARTIGOS RELACIONADOS

Artigos por assunto

Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br