Agronline
Página inicial dos artigos
Notícia
 
Agricultura
 
Agronegócios
 
Geral
Pecuária
 
Política
 
Tecnologia
 
Inicio > Agronegócios
SE - Estado torna-se referência na produção de pólen e de mandioca
Aracaju - Sergipe tornou-se referência nacional na apicultura voltada para o cultivo do pólen e na maneira como produz farinha de mandioca. O destaque está na qualidade e sabor do pólen produzido no norte do Estado e na forma ecologicamente correta utilizada pelas casas de farinha da região centro-oeste de Sergipe. É isso que duas missões técnicas de empreendedores de Alagoas e do Rio Grande do Norte vão conhecer esta semana.

Nesta quinta-feira (27), estará em visita ao Estado um grupo de 22 apicultores, consultores, gestores e parceiros do Sebrae no Rio Grande do Norte. Eles vão visitar os municípios de Brejo Grande, Pacatuba e Santana do São Francisco. “Seu interesse é conhecer as tecnologias de produção, processamento e gestão da atividade apícola de exploração de pólen no Baixo São Francisco”, destaca Marianita Mendonça, técnica do Sebrae/SE.

Já na sexta feira (28), será a vez do grupo de Alagoas. A missão técnica é formada por 40 mandiocultores, consultores, gestores do Sebrae/AL e representantes da Secretaria de Estado de Agricultura. “Dessa vez o objetivo é conhecer a experiência do aumento de renda das casas de farinha de São Domingos e Campo do Brito. Isso foi possível graças ao uso da grelha e chaminé nos fornos, além do beneficiamento do resíduo manipueira que passou a ser aproveitado na alimentação animal e como adubo”, conta Marianita Mendonça.

Pólen

O pólen sergipano tornou-se destaque entre os brasileiros graças à sua qualidade e sabor mais adocicado. Apicultores de outros estados vem a Sergipe conhecer as associações que produzem o pólen, além de participar de capacitações ministradas pelos técnicos e consultores do Sebrae/SE sobre como produzi-lo.

O último grupo que esteve em Sergipe foi formado por integrantes da Associação de Criadores Orgânicos de Abelhas de São João de Pirabas e de Salinópolis, no Pará. Além de conhecer na prática como é feito o manejo adequado das abelhas e o cultivo do pólen, os apicultores participaram de um treinamento.

Os paraenses tiveram acesso às seguintes capacitações: ‘Importância do Pólen para as Plantas’; ‘Importância do Pólen para as Abelhas’; ‘Pólen nos Produtos Apícolas’; ‘Composição do Pólen’; ‘Localização do Apiário para Produção de Pólen’; ‘Instalação do Apiário’; ‘Coletores’; ‘Manejo para Produção de Pólen’; ‘Coleta do Pólen’; ‘Beneficiamento’; ‘Envasamento’.

“Como somos referência no Brasil pela qualidade do pólen, é uma obrigação nossa disseminar essa tecnologia para os parceiros que quiserem aprender com os sergipanos”, enfatiza Marianita.

Mandiocultura

Os dois maiores problemas enfrentados pelos empreendedores rurais ligados à Cooperativa dos Produtores de Farinha de Mandioca eram o forno inadequado, que utilizava bastante lenha e não atingia o aquecimento ideal, e o resíduo poluente da mandioca, a manipueira, altamente tóxico, rico em ácido cianídrico, que era despejado diretamente no solo, prejudicando o terreno e seus microorganismos.

A solução foi encontrada por meio da união de forças entre as instituições de fomento que atuam na região. O Banco do Brasil, com o programa Desenvolvimento Rural Sustentável (DRS), direcionado ao incentivo de atividades empreendedoras, firmou parcerias com a Embrapa, Sebrae/SE, Instituto de Tecnologia e Pesquisa da Universidade Tiradentes, Deagro e Prefeitura Municipal de Campo do Brito, visando encontrar alternativas para solucionar os problemas.

Hoje, a cooperativa utiliza uma grelha e chaminé nos seus fornos, o que permite a queima total da lenha e potencializa o calor, acelerando o processo de aquecimento e torrando mais rapidamente a farinha. O consumo de lenha foi reduzido em até 50%.

O resíduo tóxico gerado quando a mandioca é prensada recebeu um tratamento especial. Ele passou a ser armazenado em locais apropriados e, depois de cinco dias ao ar livre, acontece um simples processo de decantação, com a manipueira ficando livre do ácido, que é altamente volátel, e passando a apresentar suas outras propriedades, como açúcar, nitrogênio, fósforo, cálcio, magnésio, ferro e zinco.

“Nossa cooperativa ganhou muito com essas parcerias. Estamos consumindo metade da lenha que utilizávamos, nosso forno está bem mais potente e a manipueira, que antes matava o solo, agora é utilizada como alimento animal, servida juntamente com a raspa da mandioca. Ela é também um excelente adubo vegetal”, afirma entusiasmado Carlos Lapa, presidente da Cooperativa.

Data: 27-08-2009
Fonte: Agência Sebrae de Notícias
  Enviar está notícia por e-mail  Imprimir esta notícia 

Notícias relacionadas
»Sicredi marca presença na 4ª Semana Nacional de Educação Financeira
»Com foco em produtos sustentáveis, Arysta LifeScience participa do CPAgro 2017 da Copacol
»FMC estimula produtores a praticar ações eficazes de manejo na AgroBrasília 2017
»CARNE FRACA: Mapa anuncia ações contra fraudes a embaixadas de 29 países
»Laticínios Davaca aposta em ERP da Sankhya para melhorar a gestão do negócio e sustentar ritmo de crescimento acelerado

Notícias anteriores
25/Mai-01/Jun  02-09/Jun  10-17/Jun  18-25/Jun    

Noticias recentes

Copyright © 2000 - 2020 Agronline.com.br