Agronline
Página inicial dos artigos
Notícia
 
Agricultura
 
Agronegócios
 
Geral
Pecuária
 
Política
 
Tecnologia
 
Inicio > Agricultura
PR - Conab quer frear queda na área de milho
Curitiba - A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) entra no mercado amanhã oferecendo R$ 78,6 milhões em prêmios para o escoamento de 760 mil toneladas de milho – o equivalente 16% do que o Paraná colheu na safrinha. A meta da operação é aliviar a pressão da oferta, que aumentou nos últimos meses, principalmente em Mato Grosso, onde a produtividade subiu 5,9%. Com isso, a intenção é segurar a previsão de queda na área, que no Paraná pode encolher até 20%.

A redução do consumo internacional agrava a situação dos produtores no Paraná, que estão recebendo R$ 14,75 por saca de 60 quilos, 20% a menos que o valor nominal de um ano atrás. Das 760 mil toneladas a serem escoadas com prêmio (PEP), 500 mil são de Mato Grosso. O Paraná poderá escoar 100 mil toneladas, com PEP de R$ 1,74 por saca para quem pagar preço mínimo de R$ 16,50 ao produtor. Goiás e Distrito Federal vão tentar vender 80 mil e Mato Grosso do Sul, outras 80 mil toneladas. O produto terá de ser vendido fora das regiões produtoras.

Trata-se da primeira interferência na tentativa de preparar o mercado para o milho de verão, que começa a ser plantado agora. Os preços baixos estão fazendo com que os produtores optem pela soja.

O quadro atual pode fazer com que o estoque final da safra 2008/09, a ser aferido em janeiro de 2010, quando começa a entrar no mercado o milho de verão, fique acima das 9,63 milhões de toneladas estimadas pela Conab. “Existe o risco de essa previsão não se confirmar”, diz o superintendente da companhia no Paraná, Lafaete Jacomel. No início deste ano, havia 11 milhões de toneladas armazenadas, o que ajudou a reduzir os preços.

Apesar do esforço da Conab, não há segurança de que os preços internos vão reagir, acrescenta. “A saída para o mercado do milho, neste momento, é a exportação”, diz Jacomel. Até agora, o país exportou cerca de 6 milhões de toneladas, para uma previsão de 8 milhões considerando o ano todo.

O prêmio de R$ 1,74 por saca escoada é considerado baixo pelo mercado. “Gasta-se mais do que isso no escoamento do milho do Paraná para o Norte ou o Nordeste”, afirma o gerente técnico- econômico da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), Flávio Turra.

“Nos estruturamos para sermos exportadores, mas a conjuntura internacional não permitiu a elevação contínua das vendas para o exterior. Mesmo que o plantio de verão seja reduzido em 10% no Paraná (de 1,3 para 1,17 milhão de hectares), os estoques, que estão em patamares acima do normal, podem se manter em bons níveis”, analisa Turra.

Para ele, o produtor deveria estar recebendo R$ 17,5 por saco para manter suas apostas na cultura. Os produtores de aves e suínos do estado compraram milho do Centro-Oeste a preços inferiores aos do Paraná e mostram-se pouco interessados em novas compras. José Rocher

Data: 27-08-2009
Fonte: Gazeta do Povo
  Enviar está notícia por e-mail  Imprimir esta notícia 

Notícias relacionadas
»Resistência na ferrugem da soja ganha força
»Resistência na ferrugem da soja ganha força
»Produtores do RS já colheram 8,5 milhões de toneladas de arroz
»SC quer erradicar cancro europeu dos pomares de maçã
»Curso Internacional de Sementes: Fisiologia e Qualidade

Notícias anteriores
30/Mai-06/Jun  07-14/Jun  15-22/Jun  23-30/Jun    

Noticias recentes

Copyright © 2000 - 2020 Agronline.com.br