Agronline
Página inicial dos artigos
Notícia
 
Agricultura
 
Agronegócios
 
Geral
Pecuária
 
Política
 
Tecnologia
 
Inicio > Pecuária
SP - Unesp de Botucatu desenvolve técnica que melhora a nutrição animal - Benefício traz um custo menor ao produtor
Botucatu - Uma nova etapa no processo utilizado na colheita do milho para a nutrição animal é desenvolvida por pesquisadores da Unesp de Botucatu. O procedimento, que usa o processo do esmagamento do material por meio de rolos compressores, oferece maior benefício para a nutrição animal e maior intervalo para o aproveitamento da colheita do milho.

No método tradicional, a forragem utilizada para alimentar os animais, mais conhecida como silagem, tem início no campo quando as máquinas colhem e picam as plantas que serão levadas até o silo e depois compactadas para o armazenamento. No sistema desenvolvido pelos pesquisadores da Unesp de Botucatu e liderado pelo professor Ciniro Costa, do Departamento de Melhoramento e Nutrição Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ), este procedimento ganha uma nova fase: a do esmagamento do material após a colheita por um sistema de rolos compressores que são regulados para que nenhum grão passe intacto pelo mecanismo.

Segundo o zootecnista Ciniro Costa, durante essa etapa, ocorre a quebra do pericarpo, ou seja, da película de celulose que envolve o grão de milho completamente desenvolvido. Isto facilita o ataque dos microorganismos ruminais e das enzimas do trato digestório do animal aos nutrientes contidos no grão, aumentando o aproveitamento do amido em 15%. “De modo geral, este processamento melhora em média 30% o aproveitamento do alimento pelo animal, sugerindo em tese, uma menor quantidade de alimento fornecido”.

Os pesquisadores também centraram seu trabalho no tempo de colheita do milho. No método comum, colhe-se a planta quando os grãos apresentam-se ¼ leitoso. A silagem, neste caso, é feita no período em que os grãos apresentam-se com sua metade cheia até o seu enchimento completo. Neste ponto a planta atingiu o máximo da produtividade proporcionando melhor desempenho aos animais. É um período curto, que dura no máximo uma semana.

De acordo com Cirino Costa, o novo procedimento aumentou o intervalo ou janela de colheita da planta para até duas semanas. No processo de esmagamento, a colheita pode ocorrer mesmo depois de passado o ponto ideal e há um aumento médio de 30% na degradabilidade do material. O pesquisador explica que sem o esmagamento, e pelo fato da cultura se encontrar em um estádio mais avançado de maturação, grande parte dos nutrientes não seriam absorvidos ou aproveitados pelo animal e seriam perdidos nas fezes. O esmagamento proporcionaria um melhor aproveitamento.

Na prática, o benefício para a nutrição animal foi comprovado por meio de alimentos depositados no rumem de três vacas e analisados por uma abertura cirúrgica que permite o acesso direto órgão. Com um aproveitamento alimentar 30% superior, o processamento propicia fornecer menos alimento ao animal, oferecendo um reflexo econômico imediato para o produtor.

A próxima etapa do estudo é desenvolver uma colhedora de milho para ensilagem que já vai contar com o dispositivo apropriado para esmagar os grãos que escapam durante a picagem do material.

Assessoria de Comunicação e Imprensa da Unesp

(11) 5627-0329/0330/0429

Data: 26-08-2009
Fonte: Unesp
  Enviar está notícia por e-mail  Imprimir esta notícia 

Notícias relacionadas
»Genômica e melhoramento genético em bovinos
»Produtores rurais serão beneficiados com a distribuição gratuita de 12 mil doses de sêmen da raça Girolando
»Estado de Roraima é considerado risco médio para febre aftosa
»Embrapa lança software para controle de verminose em ovinos na Agrifam
»Assentados paranaenses contarão com Salas da Cidadania para acessar serviços prestados pelo Incra

Notícias anteriores
25/Mai-01/Jun  02-09/Jun  10-17/Jun  18-25/Jun    

Noticias recentes

Copyright © 2000 - 2020 Agronline.com.br