Agronline
Página inicial dos artigos
Notícia
 
Agricultura
 
Agronegócios
 
Geral
Pecuária
 
Política
 
Tecnologia
 
Inicio > Geral
DF - Kátia Abreu defende macanismo para facilitar a formalização do produtor rural
A criação de um regime tributário próprio do produtor rural foi tema de reunião realizada nesta quinta-feira, 20 de agosto, entre a presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu, e o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

A idéia é criar pelo menos quatro perfis diferentes de enquadramento dos produtores como Pessoas Jurídicas (PJ): produtor familiar, empresa individual, cooperativa de produção e empresa agropecuária. “Não dá para ser uma Pessoa Jurídica única para o Brasil rural. Precisamos de outros formatos, no mínimo quatro, para que o produtor possa se enquadrar com facilidade e possa ter sintonia com a sua realidade.”, afirmou Kátia Abreu, ao final da reunião.

A idéia é utilizar uma lógica semelhante ao que foi colocado em prática com a criação da figura do Micro Empreendedor Individual (MEI), que atende trabalhadores informais urbanos. Desde julho deste ano, autônomos podem obter registro como Pessoa Jurídica e assim passam a ter como vantagens inscrição na Previdência Social e comprovante de renda, recolhendo menos que R$ 60 por mês. Ou seja, o microempreendedor urbano tem um tratamento tributário diferenciado do que é aplicado aos grandes empresários. A proposta da CNA é adotar mecanismo semelhante também na área rural, permitindo a “pejotização” ampla no setor rural.

A proposta foi bem recebida pela equipe do Ministério da Fazenda. Segundo a presidente da CNA, o ministro determinou que a Receita simulasse os modelos a serem aplicados aos diferentes perfis de produtores e seus impactos sobre a arrecadação. “Assim será possível atender todo o agronegócio, que tem cinco milhões de produtores rurais e com categorias diferentes de faturamento, de produção”, disse a senadora. Kátia Abreu destacou a importância da participação do novo secretário da Receita Federal, Otacílio Cartaxo, na reunião com o ministro Mantega.

A classificação dos diferentes perfis de produtores rurais a enquadramentos tributários próprios foi apenas um dos mecanismos defendidos pela presidente da CNA ao ministro Mantega. Outra idéia apresentada foi a de desonerar a cadeia de alimentos, mas sem gerar perda de arrecadação à Receita. “Não temos nenhum interesse de que o Tesouro possa perder alguma coisa”, afirmou a senadora. “Queremos nos transformar em PJ, queremos ir para a transparência jurídica, queremos ir para a formalização, mas por muitas das vezes somos impedidos por conta de uma alta carga tributária que é paga pelos empresários, pela agroindústria, que nos compra os produtos e muitas vezes nos impõe uma sonegação”, citou a senadora.

Kátia Abreu citou como exemplo a experiência do Estado de Goiás com outros Estados vizinhos, que reduziram o ICMS de 17% para 7%. “E sem perder um só centavo na receita”, destacou a presidente da CNA.

Assessoria de Comunicação da CNA

Fone (61) 2109-1419

www.canaldoprodutor.com.br

Data: 20-08-2009
  Enviar está notícia por e-mail  Imprimir esta notícia 

Notícias relacionadas
»Brandt investe no potencial de crescimento da agricultura brasileira e dobra de tamanho em dois anos
»Mais de duas mil pessoas prestigiam Ação Cooperada em Erechim
»Pesquisa desenvolve biscoito de cereais integrais com recheio de polpa de frutas brasileiras
»AgroBrasília 2017: Sucessão Familiar é tema da Feira
»Nutron auxilia produtores de suínos a diminuir o impacto das micotoxinas

Notícias anteriores
06-13/Out  14-21/Out  22-29/Out  30/Out-06/Nov    

Noticias recentes

Copyright © 2000 - 2019 Agronline.com.br