Agronline
Página inicial dos artigos
Notícia
 
Agricultura
 
Agronegócios
 
Geral
Pecuária
 
Política
 
Tecnologia
 
Inicio > Agricultura
PR - Lodo da cidade, adubo no campo
Lapa - O lodo do esgoto urbano virou fertilizante nobre para a agricultura no Paraná. Com base em pesquisas desenvolvidas desde os anos 80, a Sanepar colocou o programa em prática no início desta década nas regiões de Curitiba e Foz do Iguaçu. Agora, conseguiu licenças ambientais para mais sete Unidades de Gerenciamento de Lodo (UGLs), que vão funcionar em Arapongas, Londrina, Maringá, Pato Branco, Ponta Grossa, Santo Antônio da Platina e Umuarama. A previsão é que haja disputa pelo material, que chega gratuitamente aos agricultores (por enquanto).

O produtor rural deixa de gastar R$ 600 por hectare em fertilizantes, conforme cálculos dos técnicos da Sanepar. O valor refere-se ao preço do adubo industrial necessário para a produção de grãos numa área com pouco material orgânico. Mas as vantagens vão além disso, uma vez que os produtores beneficiados recebem também serviços agronômicos. Os técnicos da Sanepar fazem análise de solo, calculam a dose de adubo necessária a cada área e orientam a aplicação. Em alguns casos, até distribuem o lodo na lavoura.

O volume de lodo já distribuído desde o início do programa chegou a 106 mil toneladas – 98% na região de Curitiba e 2% em Foz. Esse material é suficiente para adubar 3,5 mil hectares, com 30 t/ha. O produto é destinado para áreas de soja, milho e feijão. Londrina já começou a distribuir lodo, para produtores de trigo. Com os sete novos licenciamentos, a previsão é que em 2009 sejam distribuídas mais de 50 mil toneladas de lodo – perto de 20% a partir das UGLs do interior do estado.

Com a ampliação, o projeto passa a abranger todo o estado. As unidades licenciadas deverão funcionar como centrais, recebendo material de estações de tratamento de esgoto de cidades vizinhas. A disponibilidade do fertilizante urbano para a agricultura tende a aumentar. Existem 31 UGLs em processo de licenciamento junto ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP). E a Sanepar deve protocolar outros 30 pedidos nos próximos meses, conta a agrônoma da empresa Simone Bittencourt.

Produtores que nunca fizeram análise de solo ganham produtividade rapidamente, relata a especialista. A aplicação na dose certa, considera, melhora o rendimento inclusive de áreas que já vinham recebendo adubo industrial.

O produtor Edson Baggio, da Lapa, é um dos 120 beneficiados na distribuição de lodo. Em seu caso, o programa foi a saída para reduzir custos no cultivo de 440 hectares de soja e milho. Se dependesse só de adubo industrial, estaria sujeito aos preços do mercado, “nas mãos das multinacionais”, afirma.

Ele usa lodo há três anos e relata que sua produtividade supera a de “vizinhos de cerca”. “A diferença é de 90 para 136 sacas de soja e de 270 para 380 sacas de milho por hectare”, compara. Esse rendimento foi aferido na última safra de verão, quando a falta de chuva afetou toda a região. “Em época de seca, o adubo é decisivo.”

No próximo ciclo, Baggio pretende chegar a 160 sacas de soja e a 500 de milho por hectare. Esses são seus recordes, obtidos em anos de clima bom e alto investimento em fertilizantes industriais. Em sua avaliação, os dias de lodo gratuito estão contados. “Se tiver de pagar, vou pagar.”

Neste ano, dos 120 produtores cadastrados pela Sanepar, cerca de 50 devem ser atendidos com lodo. A prioridade do programa é a agricultura familiar, mas como nem sempre é possível chegar a propriedades pequenas em tempo de chuva, a empresa mantém cadastro de áreas maiores e mais acessíveis, para desovar o lodo em caso de acúmulo.

Os interessados em se cadastrar devem procurar a unidade regional da Sanepar mais próxima. Na escolha dos candidatos, a empresa dá preferência para quem produz grãos. Verduras e frutas não recebem lodo. O argumento é que o consumidor final tem contato direto com esses alimentos e que há mais segurança no uso do fertilizante em produtos que serão processados ou cozidos. Quem está em regiões de abastecimento público de água também fica de fora. A Sanepar argumenta privilegiar regiões ambientalmente corretas e distantes de mananciais.

Composição

Produto agrega o calcário

O lodo tem vantagens agronômicas sobre os fertilizantes industriais, sustenta o agrônomo especialista em solos e gerente da Assessoria de Pesquisas e Desenvolvimento da Sanepar, Charles Carneiro. “Já vem com calcário e não tem só nitrogênio, fósforo e potássio. Carrega também micronutrientes que melhoram o solo.” O calcário é adicionado no processo de “limpeza” do lodo, à base de cal.

A Embrapa atesta o uso do lodo na agricultura. Segundo pesquisas desenvolvidas em solo arenoso, se o produtor jogar 30 toneladas de lodo úmido por hectare, tem material orgânico para duas safras de soja ou pelo menos uma de milho.

Na comparação com o adubo que vem de criadouros de animais, a vantagem do fertilizante urbano é a segurança. “As análises feitas no esgoto e no lodo mostram a composição do material e podem indicar qual será o efeito no solo. Quem simplesmente despeja o adubo animal não sabe o que está colocando na lavoura”, afirma Carneiro.

O tratamento do material pela Sanepar praticamente elimina o cheiro de esgoto do lodo. O material tem odor forte, parecido com o dos demais fertilizantes orgânicos, e também lembra a amônia. A aceitação de lodo urbano na agricultura é gradual e se baseia mais nos resultados do que no cheiro ou na procedência, avalia o técnico agrícola da Sanepar Samoel Ferreira Borges. (JR)

Data: 18-08-2009
Fonte: Gazeta do Povo
  Enviar está notícia por e-mail  Imprimir esta notícia 

Notícias relacionadas
»Resistência na ferrugem da soja ganha força
»Resistência na ferrugem da soja ganha força
»Produtores do RS já colheram 8,5 milhões de toneladas de arroz
»SC quer erradicar cancro europeu dos pomares de maçã
»Curso Internacional de Sementes: Fisiologia e Qualidade

Notícias anteriores
05-12/Out  13-20/Out  21-28/Out  29/Out-05/Nov    

Noticias recentes

Copyright © 2000 - 2019 Agronline.com.br