Agronline
Página inicial dos artigos
Notícia
 
Agricultura
 
Agronegócios
 
Geral
Pecuária
 
Política
 
Tecnologia
 
Inicio > Agricultura
PR - Crises sucessivas prejudicam o setor
A cafeicultura brasileira sofre com sucessivas crises, cujos efeitos vão se acumulando. Atualmente, o setor amarga os problemas do alto custo e baixa remuneração. Levantamento realizado pelo economista Santo Pulcinelli Filho, do escritório do Deral em Cornélio Procópio, aponta que o café foi uma das culturas que mais tiveram prejuízos nos 15 anos do Plano Real.

O levantamento, realizado com 12 culturas, comparou o valor do produto no dia da implantação do Real ao praticado em 1º de julho deste ano. De acordo com Pulcinelli, enquanto o IGP-M foi de 306,4%, o café teve reajuste de 32%. Em 1º de julho de 1994, o valor da saca estava entre R$ 156,00 e R$ 180,00. Na mesma data de 2009, esse valor estava entre R$ 215,00 e R$ 230,00, diz Pulcinelli. Se o IGP-M fosse aplicado, a saca de café deveria valer hoje entre R$ 633,98 e R$ 731,52.

Por outro lado, a maioria dos insumos da cafeicultura teve reajuste igual ou superior à inflação. O cloreto de potássio, por exemplo, foi reajustado em 757%, a uréia em 375% e o formulado de NPK teve reajuste de 536%. O salário mínimo foi reajustado em 718%. O valor pago pela colheita teve aumento de 613% e a capina manual, 655%.

Segundo Pulcinelli, os produtores relatam estar muito desanimados. Um deles me disse que a situação é igual a um caminhão carregado que desce uma ladeira sem freio e sem perspectivas de se livrar do despenhadeiro que está à frente, diz. As medidas que estão sendo negociadas são apenas paliativas, avalia. O técnico acrescenta que o endividamento é o que mais aflige os produtores e aumenta proporcionalmente ao envolvimento com a cultura.

Medidas para solucionar os problemas da cafeicultura nunca tiveram o efeito desejado. De acordo com Pulcinelli, a primeira crise aconteceu em 1906, quando o governo proibiu o plantio de café, com o Acordo de Taubaté. Porém, com o avanço da cafeicultura no Norte do Paraná, o pacto se desfez. A solução encontrada pelo governo para a segunda crise, iniciada em 1929, foi a incineração de 25 milhões de sacas de café.

Para ajustar os estoques, em 1960 o governo optou por reduzir lavouras e 1,4 bilhão de pés foram arrancados - o governo pagou 1 cruzeiro por pé de café retirado. Naquele ano, o Paraná produziu 21 milhões de sacas, que corresponderam a 38% da produção mundial. Em 1990, a crise foi enfrentada com a contenção de 20% das cotas de exportação. (Publicado em 15/08/2009)/Raquel de Carvalho

Data: 17-08-2009
Fonte: Folha de Londrina
  Enviar está notícia por e-mail  Imprimir esta notícia 

Notícias relacionadas
»Resistência na ferrugem da soja ganha força
»Resistência na ferrugem da soja ganha força
»Produtores do RS já colheram 8,5 milhões de toneladas de arroz
»SC quer erradicar cancro europeu dos pomares de maçã
»Curso Internacional de Sementes: Fisiologia e Qualidade

Notícias anteriores
12-19/Out  20-27/Out  28/Out-04/Nov  05-12/Nov    

Noticias recentes

Copyright © 2000 - 2019 Agronline.com.br