Agronline
Página inicial dos artigos
Notícia
 
Agricultura
 
Agronegócios
 
Geral
Pecuária
 
Política
 
Tecnologia
 
Inicio > Agricultura
PR - Cafeicultura (de novo) pede socorro
Curitiba - Dificuldades extremas, dívidas que ultrapassam os R$ 8 bilhões e alto custo de produção mobilizam cafeicultores em todo o Brasil. Desde o mês de março, os produtores tentar negociar com o governo medidas de socorro para a situação que consideram insustentável. O governo já estabeleceu o preço mínimo de R$ 261,00 a saca e estuda medidas para retirar o produto do mercado e formar estoques.

Os R$ 261,00 estão aquém do valor calculado pelos próprios organismos do governo para a remuneração da produção. Hoje, o produtor amarga altos custos, principalmente com insumos e mão de obra, e que elevam o preço da produção para R$ 355,00 a saca do café de cultivo tradicional, segundo levantamento do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Agricultura do Paraná. Recentemente, a Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep) enviou ofício ao ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, solicitando a correção do valor.

Mas o preço mínimo não é o único fator que aflige os produtores. Segundo eles, não basta retirar o café do mercado, pois esse produto pode voltar, dependendo da pressão de indústrias e torrefadoras, e pressionar o preço para baixo. Tanto que uma das propostas sistematizadas pela Faep, é definir regras para as saídas futuras deste café.

De acordo com Guilherme Lange Goulart, presidente da Comissão de Café da Faep, a entidade propõe que a Confederação Nacional de Agricultura (CNA), porta-voz dos produtores, reivindique ao governo a retirada de 10 milhões de sacas, que seriam trocadas pelas dívidas contraídas pelo Funcafé. Pela proposta, os produtores teriam o direito de recompra desse estoque. Para evitar pressões, o governo só poderia recolocá-lo no mercado quando o valor estivesse 20% maior que o preço da compra, explica Goulart. Breno Pereira Mesquita, presidente da Comissão Nacional do Café da CNA, afirma que a proposição tem apoio de produtores do país inteiro. Ele diz estar confiante no êxito das negociações com o governo.

Outra reivindicação dos paranaenses é que parte do produto destinado ao mercado externo seja vendido na forma de torrado e moído. Os cafeicultores solicitam recálculo de dívidas, sem as sanções previstas nos contratos e com carência de um ano. Tivemos um ano difícil, com a safra de baixa produção, que teve também os prejuízos da seca em março e abril e excesso de chuvas em junho e julho, argumenta o dirigente. (Publicado em 15/08/2009)/

Raquel de Carvalho

Data: 17-08-2009
Fonte: Folha de Londrina
  Enviar está notícia por e-mail  Imprimir esta notícia 

Notícias relacionadas
»Resistência na ferrugem da soja ganha força
»Resistência na ferrugem da soja ganha força
»Produtores do RS já colheram 8,5 milhões de toneladas de arroz
»SC quer erradicar cancro europeu dos pomares de maçã
»Curso Internacional de Sementes: Fisiologia e Qualidade

Notícias anteriores
12-19/Out  20-27/Out  28/Out-04/Nov  05-12/Nov    

Noticias recentes

Copyright © 2000 - 2019 Agronline.com.br