Agronline
Página inicial dos artigos
Notícia
 
Agricultura
 
Agronegócios
 
Geral
Pecuária
 
Política
 
Tecnologia
 
Inicio > Geral
ES - Melhoramento de café é tema de debate em congresso
O “Melhoramento de Café” foi o tema discutido na terça-feira (11), no segundo dia do 5º Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas. Os debates ocorreram durante a realização de painel do qual participaram ativamente pesquisadores do Consórcio Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento do Café, cujo programa de pesquisa é coordenado pela Embrapa Café.

O moderador do painel foi o gerente-geral da Embrapa Café, Aymbiré Francisco Almeida da Fonseca, e os debates tiveram como palestrantes a pesquisadora Maria Amélia Gava Ferrão, da Embrapa Café/Incaper, que falou sobre o melhoramento de café conilon; o pesquisador Luiz Carlos Fazuoli, do Instituto Agronômico (IAC), que trouxe os avanços do melhoramento com o café arábica; e a pesquisadora Eveline Teixeira Caixeta, da Embrapa Café/Universidade Federal de Viçosa (UFV), que falou sobre a genômica do cafeeiro.

Realizado este ano pelo Governo do Espírito Santo, por meio do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), Secretaria de Estado da Agricultura, Aquicultura, Abastecimento e Pesca (Seag) e Associação Brasileira de Melhoramento de Plantas, o evento prossegue até a próxima quinta-feira (13), no Sesc de Guarapari, ES.

Abertura do Congresso

Falando na abertura do Congresso, na última segunda-feira (10), o diretor executivo da Embrapa, José Geraldo Eugênio de França, afirmou que entre os dez maiores problemas da humanidade para os próximos 50 anos, pelo menos quatro atingem diretamente a agricultura: a falta de água, de alimentos, de energia e a destruição do meio ambiente.

França, que tratou do tema ‘O Melhoramento e os Novos Cenários da Agricultura’, afirmou que “estamos testemunhando um período de aquecimento global, com alterações de temperatura visíveis. Esses próximos anos vão necessitar de esforços da ciência e da tecnologia para produzir alimentos que a sociedade precisa, mesmo com os desafios climáticos”.

Na agricultura, uma das mais impactadas por esses novos cenários, os principais desafios para os quais a humanidade vai precisar dar respostas são em relação à perda de produção, ao solo e a produtividade das lavouras e de pastagens. E principalmente, à demanda crescente por alimentos. “Em 2025, serão 8,3 bilhões de pessoas para serem alimentadas, por isso, produzir mais alimentos em uma área menor, com maior temperatura e com menos disponibilidade de água é o desafio dos melhoristas e de toda a comunidade científica”, enfatiza José Geraldo.

Ele acredita que as perdas na colheita serão resolvidas a partir da biotecnologia e do melhoramento. “Mas não podem ser ignorados a sustentabilidade, a saúde, a qualidade de vida e a competitividade”, afirma.

Mais de mil pessoas de todo o país estiveram presentes na abertura do Congresso, que contou com as presenças do secretário de Agricultura, Ricardo Santos; do presidente do Incaper, Evair Vieira de Melo; do secretário de Ciência e Tecnologia, Paulo Foletto; deputados estaduais e lideranças municipais.

Painel melhoramento do café

Durante o Painel sobre o melhoramento do café Maria Amélia fez um histórico e mostrou a importância do café robusta no mundo e no Brasil, com destaque no Espírito Santo, onde ele foi introduzido em 1912, especificamente na região Sul do Estado.

Foram discutidas as principais estratégias de melhoramento da espécie e os principais resultados, como o desenvolvimento de seis variedades, a obtenção e avaliação de três populações melhoradas, a seleção de identificação de clones com elevada produtividade, com resistência à ferrugem, com tolerância à seca e com qualidade de bebida.

Já Fazuoli, mostrou que o Brasil possui mais de 60 variedades de Coffea arabica, altamente produtivas. “O Brasil é um dos países mais ricos em variedades disponíveis para o produtor. Por isso, ele tem condições de planejar melhor o plantio, de acordo com as suas necessidades locais. Por exemplo, se é agricultor familiar, pode utilizar variedades com porte baixo, resistentes à ferrugem. Assim, consegue ter maior sucesso com a produção”, destaca.

Mas Fazuoli alerta que de nada adianta o produtor utilizar um material de alto padrão se não souber conduzir a lavoura, com um manejo correto. “Se não souber cuidar, poderá perder na produtividade”, finaliza.

Na apresentação sobre a genômica do café, ou seja, os estudos acerca do sequenciamento dos genes, Eveline Caixeta citou a importância desse trabalho para o melhoramento do café, já que é utilizado para identificar os genes de interesse, mapeá-los e construir marcadores com o objetivo de reduzir o tempo para o desenvolvimento de novas variedades.

“O Brasil foi o primeiro país a realizar o sequenciamento em larga escala do genoma do café, desenvolvido pelo Consórcio, por meio do IAC, Incaper, Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), UFV, Embrapa, e outras, além da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Data: 12-08-2009
Fonte: Embrapa
  Enviar está notícia por e-mail  Imprimir esta notícia 

Notícias relacionadas
»Brandt investe no potencial de crescimento da agricultura brasileira e dobra de tamanho em dois anos
»Mais de duas mil pessoas prestigiam Ação Cooperada em Erechim
»Pesquisa desenvolve biscoito de cereais integrais com recheio de polpa de frutas brasileiras
»AgroBrasília 2017: Sucessão Familiar é tema da Feira
»Nutron auxilia produtores de suínos a diminuir o impacto das micotoxinas

Notícias anteriores
06-13/Nov  14-21/Nov  22-29/Nov  30/Nov-07/Dez    

Noticias recentes

Copyright © 2000 - 2019 Agronline.com.br