Agronline
Página inicial dos artigos
Notícia
 
Agricultura
 
Agronegócios
 
Geral
Pecuária
 
Política
 
Tecnologia
 
Inicio > Pecuária
SP - Cati Leite dá novo entusiasmo a pequeno pecuarista
Campinas - Antonio Rodrigues, mais conhecido como seu Nico, nasceu no mesmo sítio onde mora, no município de Elisiário, e seu pai já trabalhava com leite. Na época era só para o gasto, pois o forte economicamente era o café. Seu Nico conta que um vizinho plantava laranja e tinha um viveiro de mudas. Uma vaca de sua propriedade entrava e comia as mudas de citros, o que fez com que seu Nico as comprasse. A citricultura levantou a propriedade. Ele pagou todas as contas. Mas veio o amarelinho e acabou com tudo.

Nada dava certo, então ele voltou a produzir leite. Ele explica que o leite era bom, mas pouco. Foi então que procurou a Casa da Agricultura e soube do Cati Leite. Seu Nico achou que seria difícil seguir todas as regras mas pensou: “não temos outra opção mesmo”. Em 2002, foi o pioneiro na implantação do projeto na região.

No início ele tinha 20 animais e produzia de 20 a 30 litros por dia. Seu filho Marcelo, que hoje é seu braço direito, tinha ido para Santo André, trabalhar no Pan Americano, mas ficou por apenas quatro meses e voltou para ajudar o pai na implantação do projeto. O outro filho, Rodrigo, trabalhava no mercado em São José do Rio Preto, voltou para casa e fez uma horta para entregar seus produtos no CEASA. A horta não existe mais, mas ele continua a transportar produtos.

Foi no lugar da horta que fizeram o primeiro módulo de mombaça em 1,13 hectares. Depois veio o segundo com 0,8 ha e no meio da tangerina plantou o tifton, onde começou o terceiro módulo com 1,4 ha, que foi dividido em dois. Dando continuidade ao sistema de pastejo rotacionado, entrou no quarto módulo, com mais 1,4 ha, que foi dividido em três: bezerros, garrotes e novilhas. Hoje, são sete módulos e sua produção é de 450 litros por dia. São 85 animais de mamando a caducando e seus piquetes têm tifton, mombaça e aveia.

Seu Nico afirma que “produzir leite é difícil, mas é ideal para áreas pequenas”. Como ele sempre diz é preciso agradecer a CATI, a EMBRAPA São Carlos e a prefeitura municipal de Elisiário, pois “sem essa ajuda, que trouxe uma boa experiência, não iríamos progredir. O processo é lento, porque estamos criando o rebanho. 25 bezerras estão próximas a iniciar a produção. Além disso, por causa das visitas, conhecemos cada vez mais gente e aprendemos coisas novas dia a dia”.

O produtor explica que a fase agora é de selecionar e descartar aquelas com dificuldade de inseminar. Essa é a função do seu filho Marcelo, que além de fazer a inseminação, é responsável pelas ordenhas e pelas anotações. Ao seu Nico cabe a alimentação dos animais e o manejo dos pastos.

Pode-se resumir a pecuária leiteira do seu Nico da seguinte forma: em 2002 ele produzia 57 litros por dia com 12 vacas em lactação. Sua produtividade por área (16 ha) era de 1.400 litros/ha/ano. O custo operacional por litro era R$ 0,57 e ele recebia em média R$ 0,60. Hoje está produzindo 500 litros por dia, com 29 vacas em lactação. Ele usa sete hectares, sendo dois com plantio de cana. Sua produtividade por área é de 26 mil litros/ha/ano. O custo operacional é de R$ 0,47 por litro e a média do preço pago ao produtor é de R$ 0,64. Em 2002 ele tinha 57% dos animais em lactação e hoje são 78%.

Como retorno da pecuária leiteira ou com o subsídio do programa Estadual de Microbacias Hidrográficas, seu Nico já comprou trator Massey 275, carreta, roçadeira, ensiladeira, esparramadeira de calcário, construiu a sala de ordenha e aumentou a irrigação, que hoje está em todos os piquetes.

Na propriedade aconteceram dois dias de campo com cerca de 600 pessoas. Recebe anualmente mais de 1.500 pessoas para conhecer o Projeto onde, fora os diversos municípios paulistas, recebeu gente de Minas Gerais, Goiás, Paraná, Maranhão, Acre, Tocantins e Venezuela.

Alfafa surge como opção para alimentação de vacas em lactação

O produtor Leonildo Romeiro Gasques, da Chácara Nossa Senhora Aparecida, no município de São Francisco, faz parte do Projeto CATI Leite – desenvolvendo São Paulo, desde 2003. Na época ele produzia 300 litros de leite por dia e hoje, mesmo na estiagem, está com mil litros dos 54 animais que estão em lactação.

A novidade é que há cerca de um ano e meio, desde de maio de 2008, ele está utilizando a alfafa para alimentar seus animais. Leonildo explica que tem 78 piquetes numa área de 5,3 hectares e mais 30 só com alfafa, numa área de 0,7 hectares. Ele destaca que começou a cortar em agosto e até agora foram doze cortes. “São cerca de 40 quilos por dia de matéria verde, o que equivale a um saco de ração comercial. Dá para alimentar umas dez vacas e é por isso que escolho o melhor lote de animais para dar essa alimentação diferenciada”.

A alfafa é uma leguminosa perene e é utilizada principalmente para produção de feno na alimentação de equinos. No Brasil a variedade crioula é a mais utilizada, pela sua rusticidade e melhor adaptação ao clima tropical e estar pronta para corte a cada 30 dias.

Segundo o engenheiro agrônomo Valdecir Segura Pinotti, da Casa da Agricultura local e responsável pelo suporte técnico no projeto CATI Leite, em São Francisco, a alfafa se adaptou bem ao clima e solo da região e vem apresentando resultados satisfatórios. “Em tempos de crise é preciso buscar alternativas para baratear a produção de leite e a alfafa foi uma experiência de sucesso para pastejo de bovino leiteiro e possibilita que o agricultor produza com viabilidade econômica”.

Valdecir destaca que a alfafa é grande fonte de proteína e tem um custo quatro vezes menor que a ração comercial. No caso do Sr. Leonildo, nessa área de 0,7 hectares, ele cultiva alfafa suficiente para o fornecimento diário para os animais mais produtivos, ou seja, aqueles que produzem acima dos 35 litros. “A proposta de cultivo foi um desafio, devido ao clima ser considerado inadequado. Mas, o resultado é que a produção de matéria seca por hectare foi de 23 toneladas no primeiro ano. O que prova a viabilidade da cultura para que o produtor tenha mais uma alternativa para continuar na atividade”.

A pecuária leiteira representa 10% da economia do município. O leite se tornou uma atividade tão importante que os produtores buscaram na Casa da Agricultura local, uma forma de produzir mais com menores custos. Foi implantado o projeto CATI Leite e desde então se tem buscado tecnologias adequadas, que atendam as expectativas de cada região.

Como na produção de leite a alimentação é um dos itens mais importantes, a alfafa, por ser uma forrageira de alta produção de matéria seca, elevada qualidade nutricional, alta palatabilidade e boa digestibilidade, surge como uma boa alternativa para alimentação de animais. Além disso, com a introdução da alfafa pode-se reduzir o uso de concentrados, que são onerosos na atividade leiteira.

O agrônomo enfoca que também existem os contras. Um dos problemas é o manejo de ervas daninhas, já que não existe nenhum herbicida recomendado para a cultura. Quanto às doenças, a única que apareceu foi a antracnose, mas não acarreta danos econômicos, já que acontece na época do corte. Valdecir finaliza dizendo que por ser uma novidade na região, nem os técnicos e nem o produtor sabem o tempo de vida útil da alfafa, mas a expectativa de todos é que a vida útil da cultura chegue, pelo menos, há seis anos”.

Para o produtor Leonildo, a melhor coisa que aconteceu com a implantação do projeto foi reunir toda a família. A filha, o genro e a netinha, que tinham ido para outra cidade em busca de um trabalho melhor, hoje tem sua casa e trabalham na propriedade. O filho, que acabou o curso superior, não deixou a chácara e quer construir uma casa, já que está pensando em se casar. Enfim, todos vivem exclusivamente da produção leiteira.

A Chácara Nossa Senhora Aparecida tem 108 piquetes irrigados e um total de 80 animais, sendo 54 em lactação. A produtividade média é de 20 litros/vaca/dia. O custo de produção está em torno de R$ 0,50 por litro de leite e o preço pago ao produtor é R$ 0,90.

Fonte:

Coordenadoria de Assistência Técnica Integral - CATI/SP

(19) 3242-2600 - 3743-3715

www.cati.sp.gov.br

Data: 11-08-2009
  Enviar está notícia por e-mail  Imprimir esta notícia 

Notícias relacionadas
»Genômica e melhoramento genético em bovinos
»Produtores rurais serão beneficiados com a distribuição gratuita de 12 mil doses de sêmen da raça Girolando
»Estado de Roraima é considerado risco médio para febre aftosa
»Embrapa lança software para controle de verminose em ovinos na Agrifam
»Assentados paranaenses contarão com Salas da Cidadania para acessar serviços prestados pelo Incra

Notícias anteriores
06-13/Nov  14-21/Nov  22-29/Nov  30/Nov-07/Dez    

Noticias recentes

Copyright © 2000 - 2019 Agronline.com.br