Agronline
Página inicial dos artigos
Notícia
 
Agricultura
 
Agronegócios
 
Geral
Pecuária
 
Política
 
Tecnologia
 
Inicio > Agronegócios
Substituição Tributária para o setor de carnes
A partir do dia 01 de agosto de 2009 entra em vigor a substituição tributária (ST) sobre a comercialização interna e interestadual entre Minas Gerais e o estado de São Paulo sobre os produtos industrializados resultantes de carnes bovinas, suínas e de aves.

No dia 30 de julho, representantes dos setores de carne bovina, suínos e aves, estiveram reunidos na Secretaria da Fazenda de Minas Gerais, com os técnicos fazendários da Superintendência da Tributação – SUTRI. O presidente do Sindicato das Indústrias de Carnes e Derivados de Minas Gerais (Sinduscarne) Eurípedes da Silva e o diretor-executivo da Associação de Frigoríficos de Minas Gerais, Espírito Santo e Distrito Federal, Antônio Jésus Pena também estiveram presentes.

Os empresários do setor de carnes foram surpreendidos com as regras fiscais estabelecidas para a retenção de ICMS nas vendas de embutidos (lingüiça, salsicha, mortadela, presuntos, hambúrguer, espetinhos, almôndegas, bacon, etc), já que o fisco não atentou para as peculiaridades inerentes à própria atividade industrial, desconsiderando as rotinas comerciais e logística, principalmente, as relacionadas com prazo de pagamento, margens de lucro e faturamentos.

Há muito ocorre a incidência da substituição tributária do ICMS sobre a venda de carne e produtos industrializados junto aos frigoríficos mineiros, todavia, tal ônus tributário, apenas, restringia-se sobre as vendas direcionadas para açougues, não estendendo para os bares, restaurantes, hotéis, supermercados, mercearias, cujos percentuais dos valores agregados são de 15% e 12%, respectivamente.

O novo regulamento do ICMS mineiro, o Protocolo ICMS nº 28/09, firmado entre os Estados de Minas Gerais e São Paulo, instituindo a ST aos produtos industrializados de carnes bovinas, suínas e de aves, trouxe como imediata conseqüência negativa em relação a anterior sistemática os aspectos seguintes:

- a aplicação da regra da ST vigente não mais será limitada para as operações com açougues, expandindo-as para todos os segmentos comerciais (bares, hotéis, restaurantes, etc);

- o prazo de recolhimento vigente até o dia 20 do mês subseqüente, foi encurtado para o dia 09;

- o valor agregado de 12% foi ajustado para os de 32,40% (embutidos) e 38,39% (preparações)

- emissão de nota fiscal em separado para o produto com incidência da ST.

De acordo com o presidente do Sinduscarne, Eurípedes José da Silva, as novas regras instituídas para a retenção da ST/ICMS sobre os produtos industrializados da carne trarão grandes impactos para o setor. “A medida ocorrerá em aumento de preço, cuja conta final será assumida pelo consumidor final. Estivemos reunidos para pleitear um ajuste no protocolo, mas, ainda que, a instituição da ST/ICMS nos moldes preconizados pelo Protocolo ICMS 28/29, apresenta-se como aumento de carga tributária e de cumprimento de obrigação fiscal acessória, mesmo assim, é elogiável o nível do diálogo concedido pelos técnicos fazendários da SUTRI que nos receberam muito bem”, disse o Silva.

Amanda Ribeiro

Unique Comunicação e Eventos

(31) 9150-0222

Data: 31-07-2009
  Enviar está notícia por e-mail  Imprimir esta notícia 

Notícias relacionadas
»Queda de preços agrícolas pode ajudar Brasil a atingir meta de inflação
» Volume das exportações de celulose, painéis de madeira e papel registra alta no primeiro semestre de 2014
»Valtra e concessionária Pampa (MT) realizam evento “Pulverizando Conhecimento”
»Seminário internacional de industrialização da carne será um dos eventos paralelos da MERCOAGRO 2014
»Produtores de grãos do Brasil projetam margem reduzida na safra 2014/15

Notícias anteriores
23-30/Jun  01-08/Jul  09-16/Jul  17-24/Jul    

Noticias recentes

Copyright © 2000 - 2014 Agronline.com.br