Brasil, 19 de abril de 2014.
Ir para a página inicial Agrolinks Comunidade Ciência & Tecnologia Informação Negócios Publicidade
   
 
 Artigos
 Eventos
 Notícias
 Cadastre-se
 Agrociência
 Software
 Categorias
 Mais visitados
 Classificados





Página inicial dos artigos
Notícia
 
Agricultura
 
Agronegócios
 
Geral
Pecuária
 
Política
 
Tecnologia
 
Inicio > Pecuária
Preço do litro do leite recuau 30% no Espírito Santo
O valor cotado pelo litro do leite, que no ano passado chegou a R$ 0,85, sofreu redução e hoje é comercializado até por R$ 0,50. Diferença não chega ao bolso do consumidor.

Os produtores de leite do Espírito Santo entraram o ano no vermelho. O valor do produto sofreu queda brusca nos últimos meses e agora é cotado, em média, a R$ 0,60 o litro. Em meados de 2008 o preço pago ao pecuarista chegou a R$ 0,85/l, valor 30% superior ao comercializado atualmente. Apesar da queda, a diferença não chegou ao bolso do consumidor.

Segundo o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Espírito Santo (Faes), Júlio Rocha, a diferença se dá em decorrência do desequilíbrio entre oferta e procura. O pecuarista acreditou que a produção seria mais rentável em 2008 e investiu na atividade, porém as boas expectativas não se concretizaram. Como resultado, o preço pago ao pecuarista pelo litro de leite está abaixo dos custos de produção.

“O abastecimento, sempre protegido pelos Governos, é muito importante, mas a renda do produtor, essencial para manter a produção, sempre foi preterida, impondo dificuldades e sacrifícios intransponíveis à classe ruralista”, explica o presidente, reclamando da falta de apoio governamental.

VALORES

O produtor independente Sérgio Mareto, de Conceição do Castelo, conta que os prejuízos são muitos e os débitos já começaram a surgir. “Com o baixo valor que recebemos fica difícil pagar por todo o custo de produção, como os altos insumos e vacinas. No ano passado cheguei a vender meu leite ao máximo de R$ 0,85/l, hoje não chega a R$ 0,67”, afirma.

O excesso de produção é a explicação do assistente administrativo da Selita, Lucínio Matos, para a baixa dos valores. “Nós estamos pagando hoje em média R$ 0,65 o litro. Ano passado era em média R$ 0,78. Realmente houve queda significativa e o produtor é o maior prejudicado”, diz.

CONSUMIDOR

O consumo também afeta os valores praticados ao produtor. Um estudo realizado pelos pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) aponta que 90% dos brasileiros consomem alimentos básicos, como o leite e seus derivados, em quantidade abaixo do indicado pela OMS (Organização Mundial de Saúde).

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a média de consumo de leite e derivados per capita anual no Brasil é de 129 litros e a exigência mínima da OMS, de 210 litros. A conta é fácil: quanto menos gente consumindo e mais leite na praça, menor o valor pago pelo produto.

O presidente da Faes explica que é essencial que os Governos adotem medidas de incentivo ao consumo e, principalmente, de amparo ao pecuarista. “Não dá para pagar para produzir. Há muitos casos em que o preço de produção é mais alto do que o de venda. Qualquer negócio é movido a lucro. Ninguém consegue sobreviver sem lucro”, desabafa.

Informações: FAES e SENAR Espírito Santo

Data: 30-01-2009
  Enviar está notícia por e-mail  Imprimir esta notícia 

Últimas Notícias
Notícias relacionadas
»Leite gera retorno em curto prazo
»Brasil perde 10 milhões de quilos de carne/ano por conta de lesão nas carcaças
»VII Workshop Agroenergia realizado pela APTA
»Antimastítico Flumast garante maior lucratividade ao produtor
»Difusão de tecnologias de produção abre perspectiva para pecuária no TO

Notícias anteriores
11-18/Mar  19-26/Mar  27/Mar-03/Abr  04-11/Abr    

Copyright © 2000 - 2014 Agronline.com.br