Agronline
Página inicial dos artigos
Notícia
 
Agricultura
 
Agronegócios
 
Geral
Pecuária
 
Política
 
Tecnologia
 
Inicio > Agricultura
PR - Coodetec: 13 novas variedades em soja estarão disponíveis para a safra 2009/10
Produtores de soja de todo o país poderão contar com 13 novas variedades de soja lançadas no ano passado pela Coodetec - Cooperativa Central de Pesquisa Agrícola- e que estarão disponíveis para cultivo na safra 2009/10. "Em 2008 nós lançamos para o Brasil todo 13 novas variedades. Foi uma recorde para a Coodetec que, até então, nunca tinha lançado um número tão grande de variedades de soja. Mas nós precisávamos cobrir muitos nichos de demanda, principalmente no Cerrado. E, num esforço muito grande, conseguimos registrar seis variedades inéditas para o Cerrado e sete para a região Sul", afirmou o diretor executivo da Coodete, Ivo Carraro, na última quarta-feira (05/08), ao comentar sobre as novidades da Coodetec para a safra de verão durante sua passagem pela sede do Sistema Ocepar, em Curitiba.

Tipos - Segundo Carraro, a Coodetec continua desenvolvendo variedades convencionais, de alta performance no campo. Das treze novas variedades, duas são convencionais: uma para o Sul e outra para o Cerrado. As demais contem o gene RR, ou seja, são transgênicas. "São variedades que atendem a vários tipos de ciclos, vários tipos de necessidades do produtor, sendo que algumas são para o plantio no cedo", esclarece. Além disso, a cooperativa também fará nesta safra demonstrações de outros materiais que serão lançados posteriormente. "Nós podemos destacar a demonstração para esse ano de uma variedade para a região Sul do Paraná que é uma derivada da CD 206, uma variedade muito plantada na região Sul, no clima mais frio e de altitudes maiores, como Guarapuava, Castro e Ponta Grossa. A CD 206 é uma variedade convencional. Agora, ela vai ter uma irmã, muito similar a ela chamada CD 206 RR", afirma Carraro.

Planta daninha - De acordo com o diretor executivo da Coodetec, também estão sendo desenvolvidas pesquisas no sentido de ajudar a resolver problemas com plantas daninhas, como a Buva, cuja ocorrência vem se intensificando nas lavouras. "Provavelmente para o ano que vem nós vamos ter um sistema associando produto químico mais variedade para o agricultor poder manejar melhor esse problema. Nesse sentido, nós estamos atuando em duas frentes: variedades que podem se adaptar melhor a isso e também, um trabalho em parceria com empresas que produzem alguns herbicidas para elas poderem participar desse programa. Mas isso é coisa para o próximo ano. Não para essa safra agora", informa.

Milho - Em relação ao milho, Carraro afirma que nesta safra a Coodetec fará a demonstração de novos híbridos: o Herculex, com a tecnologia Bt da Dow e o Yeld Gard, com tecnologia Bt da Monsanto. Ambos tem como característica principal a tolerância a insetos. "Há muito pouca semente dessas novas variedades para vender para os agricultores, mas eles já vão poder ver nas parcelas demonstrativas da Coodetec essa tecnologia comparada com os híbridos convencionais e com híbridos transgênicos", diz.

Transgenia - Em relação aos transgênicos, o diretor executivo da Coodetec afirma que a cooperativa defende a imparcialidade no processo. "Nossa origem, vinda do cooperativismo, prevê que a gente tenha um fluxo de relacionamento aberto, ou seja, com todas as companhias que quiserem se relacionar conosco. Então, nós vamos ter várias tecnologias em materiais, seja em híbridos de milho, seja variedades em soja ou de trigo, nesse caso para o futuro, porque no trigo ainda não há nada transgênico, mas vai ter certamente. Então, nós vamos poder estar participando disso", ressalta.

Estratégia - "Mas uma coisa é muito importante explicar. A Coodetec tem uma decisão estratégica que é manter o seu banco genético em desenvolvimento permanente de forma convencional porque é do convencional que você parte para a transgenia. Então, a Coodetec tem esse cuidado por duas razões importantes. A primeira, dar oportunidade para aquele agricultor que quer plantar material convencional e ter material sempre atualizado e novo, com a genética atualizada e, em segundo lugar, a Coodetec tendo material atualizado na forma convencional, abre a possibilidade de fazermos parcerias com empresas que tenham o trade transgênico e, daí, gerar variedades de acordo com o interesse do produtor. Dessa forma, o produtor pode esperar da Coodetec sempre material convencional e material de várias bandeiras tecnológicas a disposição deles, opções diversas a medida que a gente consegue fazer parceria com essas empresas".

Variedades próprias - Segundo Carraro, a Coodetec pretende ainda desenvolver variedades transgênicas próprias. "Nós almejamos no futuro não muito distante termos o nosso próprio transgênico também. Ter a nossa própria tecnologia nessa área porque nós acreditamos que na agricultura do futuro essa ferramenta da transgenia vai ser muito potente, além do que já é atualmente, e vai ser útil para resolver problemas, inclusive os ligados às importantes mudanças climáticas que vem ocorrendo", acrescenta. "A genética permite que a gente prepare as plantas para enfrentar os estresses abiótiocos, como a seca, excesso de chuva, geada, entre outros, com uma velocidade maior do que a natureza faz. Um dos primeiros temas que estamos trabalhando é a tolerância à seca e estamos bem adiantados nisso. É uma atividade que ser insere no grupo de pesquisas de médio e longo prazo", frisa.

Braço tecnológico - Carraro define a Coodetec como o braço tecnológico das cooperativas e dos agricultores de um modo geral. "É uma empresa 100% nacional que está se preparando para continuar sendo um contraponto, uma empresa que participa do mercado de ciência e tecnologia dentro do Brasil. Não no enfrentamento dos concorrentes, mas na participação. Nós temos que oferecer para os demais atores da ciência e da tecnologia alternativas de troca para que a gente possa sempre estar acessando a melhor tecnologia possível", diz. A cooperativa tem seu quadro social composto atualmente por 36 cooperativas associadas sendo 25 do estado do Paraná, seis do Rio Grande do Sul, duas de Santa Catarina, uma de São Paulo, uma de Goiás e uma de Mato Grosso do Sul. São mais de 185.000 agricultores associados ao sistema. De 1974 a 1995, funcionou como Departamento de Pesquisa da Ocepar. Depois, passou a atuar como cooperativa central.

Centros de pesquisa - Com sede em Cascavel, no oeste paranaense, a Coodetec possui centros de pesquisa no Paraná, Goiás, Minas Gerais e outro no Mato Grosso. Conta com um quadro de funcionários de 494 pessoas, das quais 18 pesquisadores, além de outros profissionais atuando nas áreas de produção de sementes, comercialização e difusão tecnológica. Desde 1974, quando iniciou as atividades de pesquisa, já lançou mais de 130 novas cultivares. A participação da Coodetec no mercado brasileiro em 2008/09 foi de 23 % em trigo, 18 % em soja e 2,8 % em milho. "Estas participações são de grande importância para que a Coodetec exerça efetivamente seu papel de agente equilibrador de mercado, além de oferta de alternativa tecnológica, principalmente aos agricultores associados às cooperativas, e dão uma idéia clara da importância que representa para os agricultores do Brasil", completa Carraro.

Data: 04-09-2009
Fonte: Ocepar - PR
  Enviar está notícia por e-mail  Imprimir esta notícia 

Notícias relacionadas
»Resistência na ferrugem da soja ganha força
»Resistência na ferrugem da soja ganha força
»Produtores do RS já colheram 8,5 milhões de toneladas de arroz
»SC quer erradicar cancro europeu dos pomares de maçã
»Curso Internacional de Sementes: Fisiologia e Qualidade

Notícias anteriores
07-14/Jul  15-22/Jul  23-30/Jul  31/Jul-07/Ago    

Noticias recentes

Copyright © 2000 - 2020 Agronline.com.br