Agronline
Página inicial dos artigos
Notícia
 
Agricultura
 
Agronegócios
 
Geral
Pecuária
 
Política
 
Tecnologia
 
Inicio > Agricultura
GO - Irrigação goiana terá R$ 7 milhões para barramentos
Cristalina - Os projetos de construção de barramentos em áreas de irrigação no estado de Goiás receberão um novo incentivo. Ao estado serão repassados cerca de R$ 7 milhões para as obras nos municípios de Cristalina, Rio Verde e Santa Helena de Goiás. A liberação do recurso vindo do Governo Federal foi anunciada ontem (01) pelo Secretário de Planejamento, Oton Nascimento Júnior, em Cristalina, durante a realização do Irriga Mais – um dia de campo sobre irrigação. Segundo o secretário o recurso chegará ainda esta semana.

A liberação de recursos - específicos para projetos de barragens destinadas ao armazenamento de águas das chuvas para serem utilizadas em lavouras irrigadas no período de estiagem – deveria ter sido realizada no início deste ano. Sob a justificativa de contenção de investimentos por causa da crise econômica, a quantia devida a Goiás foi contingenciada. De acordo com o presidente da Comissão de Irrigantes da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), Tiago Mendonça, a construção desses barramentos permitirá que a área irrigada na região seja triplicada, com efeitos diretos na produção.

Produção irrigada

No dia de campo Irriga Mais – promovido pelo Sindicato Rural de Cristalina, Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), secretarias de Agricultura e Planejamento e prefeitura de Cristalina - estiveram presentes o governador Alcides Rodrigues, secretários de estado, representantes dos Ministérios da Agricultura e Integração Nacional e autoridades municipais. Durante as visitas discutiu-se a importância ambiental e socioeconômica da irrigação.

O objetivo do evento era justamente reunir autoridades e técnicos para apresentar a realidade das produções irrigadas no estado. “Queremos quebrar os mitos de que a irrigação é atividade degradadora do meio ambiente e altamente consumidora de água”, disse o presidente da Comissão de Cereais, Fibras e Oleaginosas da Faeg, Alécio Maróstica. As autoridades visitaram propriedades rurais cuja atividade principal é a irrigação. Nelas puderam ver quais as técnicas que permitem sustentabilidade entre produção de alimentos e preservação do meio ambiente.

Em todas elas a prática recorrente é o armazenamento de água. Maróstica que coordenou o dia de campo Irriga Mais explica que como Goiás tem estações muito bem definidas – uma de chuvas abundantes e a outra com um rígido período seco – os barramentos funcionam como armazéns de água. Durante o período chuvoso, as precipitações são retidas e utilizadas ao longo da estiagem.

Maróstica explica que somente a irrigação permite que no Brasil Central haja 2,5 safras ao longo do ano e 1,5 a mais em produção. A irrigação oferece um melhor controle de pragas e doenças, o que resulta em menor uso de defensivos agrícolas e melhor qualidade dos alimentos. A atividade abre margem para a exploração de culturas de maior valor comercial e gera mais riquezas em um mesmo espaço. Mesmo sendo uma atividade altamente tecnificada a irrigação aumenta a oferta de empregos. “Ela oferece a chance do cumprimento da função social da terra”, explica.

Números de irrigação em Cristalina

Cristalina se destaca hoje como o maior município irrigante de Goiás, tendo 570 pivôs em uma área de 47 mil hectares. É o maior produtor de batata, trigo, milho doce e alho irrigados do Brasil e maior produtor de cebola e café irrigados de Goiás. Além destas culturas, a cidade tem grande relevância na produção de feijão, cenoura, beterraba, milho doce, semente e comum, tomate, maracujá, cabutiá, soja semente, citros, brócolis, couve-flor, espinafre, vagem verde e ervilha.

Produção agrícola de Cristalina:

Produto

Produção

Área plantada

Batata

140 mil toneladas/ano

4 mil hectares

Cebola

42 mil toneladas/ano

600 hectares

Alho

18 mil toneladas/ano

1.200 hectares

Café

7.500 mil toneladas/ano

2.500 hectares

Milho doce

128 mil toneladas/ano

8.000 hectares

Tomate

342 mil toneladas/ano

3.800 hectares

Feijão

29 mil toneladas/ano

12 mil hectares

Soja

588 mil toneladas/ano

210 mil hectares

Milho semente

18 mil toneladas/ano

6 mil hectares

Milho sequeiro

620 mil toneladas/ano

80 mil hectares

Feijão sequeiro

20 mil toneladas/ano

10 mil hectares

Cenoura

15 mil toneladas/ano

300 hectares

Trigo

58 mil toneladas/ano

12 mil hectares

Ervilha (enlatada)

1.200 toneladas/ano

500 hectares

Algodão

560 mil arrobas/ano

2.000 hectares

Fonte: Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás - Faeg / www.faeg.com.br/

Data: 02-09-2009
  Enviar está notícia por e-mail  Imprimir esta notícia 

Notícias relacionadas
»Resistência na ferrugem da soja ganha força
»Resistência na ferrugem da soja ganha força
»Produtores do RS já colheram 8,5 milhões de toneladas de arroz
»SC quer erradicar cancro europeu dos pomares de maçã
»Curso Internacional de Sementes: Fisiologia e Qualidade

Notícias anteriores
07-14/Jul  15-22/Jul  23-30/Jul  31/Jul-07/Ago    

Noticias recentes

Copyright © 2000 - 2020 Agronline.com.br