Agronline
Página inicial dos artigos
Notícia
 
Agricultura
 
Agronegócios
 
Geral
Pecuária
 
Política
 
Tecnologia
 
Inicio > Agricultura
PR - 8% das sementes comercializadas no Paraná vêm da pirataria
Curitiba - Atualmente cerca de 6% a 8% das sementes comercializadas no Paraná são fruto de pirataria. No Estado, o problema está mais concentrado nas culturas de soja e trigo, mas também está presente no milho e no algodão. A pirataria rendeu multas no valor total de R$ 2,76 milhões e a apreensão de 6.072 toneladas de produtos no primeiro semestre deste ano. Os dados são do coordenador de sementes e mudas do Ministério da Agricultura, José Neumar Francelino. Para combater o problema, o Ministério tem realizado ações de fiscalização, forças-tarefa e também trabalhado a partir de denúncias.

O pesquisador da Embrapa Soja de Londrina, José de Barros França Neto, disse que a situação é bastante preocupante no Brasil todo. Ele destacou que considerando apenas a cultura de soja, 60% das sementes utilizadas no Brasil são oficiais, ou seja, certificadas. Os outros 40% restantes são produtos que estão no mercado informal que podem ser sementes do próprio produtor ou pirateadas.

Ele disse que a semente certificada é até três vezes mais cara que a produzida pelos próprios agricultores ou do que a pirata, mas não tem a segurança da qualidade e de germinação. No entanto, pode atingir uma produtividade até 30% maior. França destacou que, na maior parte dos casos, o produtor de grãos que se responsabiliza pela própria semente, não tem muita estrutura. Já a semente certificada passa por tratamentos com fungicidas, utiliza fertilizantes, tem controle de insetos. O produto ainda é seco, limpo e armazenado com cuidado e controle de qualidade.

Na cultura de soja, hoje a semente representa cerca de 5% do custo de produção. Ele lembrou que o Mato Grosso é o maior produtor de soja do País, Estado que investe em tecnologia e semente de qualidade.

A semente pirata é um tremendo de um negócio, disse o pesquisador. Para ele, uma das formas de combater a clandestinidade é fazer campanhas de conscientização do produtor sobre os riscos que a semente pirata oferece. Entre os principais estão trazer novas doenças para a lavoura, comprar uma variedade diferente de semente da que o produtor deseja, adquirir produtos com impurezas e plantas daninhas, além de ter chance de levar um material com baixo índice de germinação e vigor.

Além disso, ele destacou que o agricultor que usa sementes próprias nunca tem renovação para utilizar variedades mais produtivas e resistentes a doenças como a ferrugem da soja. Segundo ele, nos últimos 35 anos, a evolução da qualidade das sementes foi grande em várias culturas. Hoje, é possível obter até 95% de germinação na soja.

Os representantes do Ministério da Agricultura e da Embrapa estiveram em Curitiba para participar do 16º Congresso Brasileiro de Sementes, evento promovido em Curitiba até amanhã pela Associação Brasileira de Tecnologia de Sementes (Abrates). O encontro reúne produtores de sementes e mudas, técnicos de campo e de laboratórios, acadêmicos e pesquisadores envolvidos com a produção, análise e tecnologia de sementes.

De acordo com dados da Associação Brasileira dos Produtores de Sementes (Abrasem), o setor movimentou cerca de R$ 8 bilhões na safra 2007/08. A produção brasileira de sementes é de aproximadamente 2,1 milhões de toneladas. O Paraná é responsável por 20% da produção nacional.

Andréa Bertoldi

Data: 02-09-2009
Fonte: Folha de Londrina
  Enviar está notícia por e-mail  Imprimir esta notícia 

Notícias relacionadas
»Resistência na ferrugem da soja ganha força
»Resistência na ferrugem da soja ganha força
»Produtores do RS já colheram 8,5 milhões de toneladas de arroz
»SC quer erradicar cancro europeu dos pomares de maçã
»Curso Internacional de Sementes: Fisiologia e Qualidade

Notícias anteriores
07-14/Jul  15-22/Jul  23-30/Jul  31/Jul-07/Ago    

Noticias recentes

Copyright © 2000 - 2020 Agronline.com.br